21.9 C
Brasil
terça-feira, setembro 28, 2021
Início Mundo Presidente do Afeganistão deixa o país após Talibã entrar na capital Cabul

Presidente do Afeganistão deixa o país após Talibã entrar na capital Cabul

De acordo com a imprensa local, o presidente Ashraf Ghani deixou o Afeganistão depois de o Talibã sitiar a capital do país na manhã deste domingo, 15. Segundo reportado pelo New York Times, Ghani partiu em um avião para o Uzbequistão com sua esposa e dois assessores próximos.

Em uma postagem no Facebook, Ghani descreveu a decisão de deixar o país como uma escolha difícil entre enfrentar o Talibã e abandonar o país para o qual “dedicou a vida no últimos 20 anos”. Ele justificou a fuga dizendo que escolheu partir para evitar um “banho de sangue”.

“Se a situação não fosse controlada, incontáveis com​​patriotas seriam martirizados e a cidade de Cabul seria devastada, resultando em uma grande catástrofe humanitária. O Talibã deixou claro que estava pronto para realizar um ataque sangrento em toda a Cabul e contra o povo de Cabul Sharif para me expulsar.”, diz um trecho da publicação.

Em comunicado mais cedo, o Talibã pediu calma na capital Cabul. Na nota divulgada pelo porta-voz Zabihullah Mujahid, os combatentes, que já estão na cidade, desejam “assumir o controle pacificamente”.

Também no início do dia, o ministro da defesa em exercício, Bismillah Mohammadi, disse que o presidente entregou a autoridade de resolver a crise no país aos líderes políticos.

No início da tarde, o ministro do Interior, Abdul Sattar Mirzakwal, anunciou que um acordo havia sido feito para uma transferência pacífica do poder para a grande Cabul e que suas forças estavam mantendo a segurança. Pouco depois,  Mirzakwal instaurou um toque de recolher a partir das 21h.

Farzana Kocha, parlamentar em Cabul, disse à BBC que as pessoas não sabiam o que fazer quando militantes do Talibã se aproximaram da cidade. “Alguns deles estão fugindo, outros se escondendo em casas”. Um porta-voz do Talibã disse à BBC que “não haveria vingança” contra os afegãos.

Mesmo assim, a publicação relatou confusão durante a tarde, enquanto as pessoas tentavam fugir. Carros foram abandonados e muitos optaram por caminhar até o aeroporto por conta dos engarrafamentos. Também houve correria para sacar dinheiro em caixas eletrônicos e filas para obter passaportes.

Os países ocidentais também estão evacuando seus cidadãos do local. Os EUA enviaram helicópteros militares para transportar funcionários da embaixada em Cabul para o aeroporto e cerca de 600 soldados britânicos estão sendo enviados para ajudar na retirada de seus habitantes.

Logo depois do pôr do sol, o tráfego ficou congestionado à medida que mais membros do Talibã entravam na cidade em motocicletas, caminhonetes da polícia local e até em veículos de patrulhamento das forças de segurança dos Estados Unidos.

As forças do governo perderam o controle desde que as tropas americanas e da Otan começaram a deixar o país. Com a saída do presidente e a tomada de Cabul.

O Talibã já comandou o Afeganistão de 1996 a 2001, até ser derrubado pela invasão americana. No entanto, em duas décadas de presença militar no país, os EUA não conseguiram preparar de forma suficiente as forças de segurança locais para lidar com o grupo jihadista sozinhas.

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Diva do Brás dá dicas para remover olheiras

Quem nunca passou pela situação de acordar e reparar numa coloração escura abaixo dos olhos acompanhado de um inchaço? Essas são as...

Saiba os benefícios da corrida de rua e comece agora mesmo

Correr faz bem para a mente e para o corpo, segundo o empresário Weber Micael da Silva, praticante do esporte há anos....

Restos mortais de vítimas do 11 de setembro são identificados após 20 anos

Por 20 anos, o consultório médico legista da cidade de Nova York conduziu discretamente a maior investigação de pessoas desaparecidas já realizada no país —...

‘Ajudei a redigir o documento pacificando as relações entre os Poderes’, diz Michel Temer

O esboço da carta à nação publicada nesta quinta-feira, 9, pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como uma forma de trégua entre os Poderes...