25.6 C
Brasil
domingo, setembro 19, 2021
Início Corona Vírus É ético aceitar a terceira dose da vacina enquanto outros países mal...

É ético aceitar a terceira dose da vacina enquanto outros países mal aplicaram a primeira?

Na última coluna, falei das injustiças globais na distribuição da vacina contra a Covid-19. Alguns poucos países entre eles o Brasil não só avançam com a primeira e a segunda dose como já têm planos para distribuir a terceira. Enquanto isso, a maior parte do mundo continua esperando: 18 países distribuíram menos de 2 doses por 100 habitantes. Em alguns países, mesmo pessoas saudáveis logo poderão receber mais imunizantes, e nos países desassistidos até profissionais da saúde e grupos de risco continuam desprotegidos. Recentemente, um de meus colegas de profissão, eticista especializado em políticas públicas de saúde, foi procurado por um parente que passava por um dilema ético. O parente, residente em Israel, já pode receber a terceira dose. E perguntou: ante a situação global, o que é mais ético? Aceitar a dose? Recusar? Aceitar, mas compensar com uma doação para o Covax? Meu colega o aconselhou a aceitar a vacina, e eu concordo. 

Para um indivíduo, que não decide quais países recebem vacinas primeiro, a escolha é apenas entre tomar a vacina ou, provavelmente, desperdiçá-la. Uma vez que um certo número de doses foi alocado por seu país para a terceira dose, recusá-la não vai ajudar a levar mais doses para os países que mais precisam. Se a terceira dose está disponível, o certo é aceitá-la, assim como as duas primeiras doses. Tanto para nossa proteção individual, quanto para contribuir com a imunidade coletiva protegendo aqueles que não podem se vacinar, protegendo os demais vacinados de infecções pós-vacina (que são raras, mas acontecem), e reduzindo os riscos de novas variantes. Fazer uma doação para o Covax, a R$25 por dose doada, é um gesto louvável e imediatamente acessível para quem quer fazer diferença sozinho. 

Mas são as ações dos governos que, coordenadas pela Organização Mundial de Saúde, podem fazer mais diferença mais rápido na produção de vacinas e em sua distribuição entre países. Aqueles que têm voz e voto nos países que têm vacinas e dinheiro devem usá-los em prol de doar doses excedentes e direcionar recursos para o Covax, aumentar o volume de doses produzidas no mundo, e especialmente aumentar o volume de doses indo para aqueles países que dependem exclusivamente (ou quase exclusivamente) do Covaxa parte do programa que serve países de baixa renda através de doações entregou muito menos doses do que a parte que serve os países que financiam as próprias vacinas. E são essas ações coordenadas globais que podem criar instituições que, em pandemias futuras, nos levem a uma distribuição mais justa desde o início, evitando este tipo de dilema.

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Restos mortais de vítimas do 11 de setembro são identificados após 20 anos

Por 20 anos, o consultório médico legista da cidade de Nova York conduziu discretamente a maior investigação de pessoas desaparecidas já realizada no país —...

‘Ajudei a redigir o documento pacificando as relações entre os Poderes’, diz Michel Temer

O esboço da carta à nação publicada nesta quinta-feira, 9, pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como uma forma de trégua entre os Poderes...

Homem mata colega, joga o corpo na praia, mas guarda o pênis em uma panela

Um homem de 48 anos foi preso pela Polícia Civil na cidade de São Vicente, no litoral de São Paulo, depois de matar um...

Governo anuncia o fim dos bloqueios de caminhoneiros em rodovias federais

O governo anunciou nesta quinta-feira, 9, que não há mais bloqueios de caminhoneiros em rodovias federais. Segundo um boletim divulgado pelo Ministério da Infraestrutura,...