31.9 C
Brasil
terça-feira, setembro 28, 2021
Início Corona Vírus Com variantes da Covid-19, imunidade coletiva não será alcançada, dizem especialistas

Com variantes da Covid-19, imunidade coletiva não será alcançada, dizem especialistas

A “imunidade de rebanho” acontece quando uma população é exposta a determinado vírus e, a partir do contato com o patógeno, as pessoas vão adquirindo uma imunidade natural, protegendo indiretamente aqueles que não foram contaminados. Um estudo realizado pelo Instituto Butantan no município de Serrana, feito com a vacina CoronaVac e que teve os resultados divulgados em maio deste ano, apontou que a pandemia poderia ser controlada e a transmissão comunitária interrompida com cerca de 75% da população vacinada. Para Renato Kfouri, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), essa meta é “inalcançável”. “O conceito, ao meu ver, completamente equivocado que muitos vinham defendendo, nunca foi algo alcançável”, diz o médico. A infectologista Ingrid Cotta da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, por sua vez, acredita que o termo “imunidade de rebanho”, que vem sendo popularmente propagado, é inadequado e “politicamente problemático”. “A imunidade de rebanho é um termo que não é adequado se usado para a Covid-19. Pode até ser usado para outras doenças que tenham taxa de mortalidade menor. Entretanto, quando a gente pensa na Covid-19, é inadmissível esperarmos que todo mundo se contamine e que esse percentual de pessoas morram para que, então, proteja-se alguém”, afirma.

Os especialistas ainda argumentam que as muitas variáveis ao redor da pandemia dificultam um cálculo exato de qual seria a porcentagem de vacinados suficiente para evitar a propagação da doença. Renato Kfouri elenca três pontos para justificar a impossibilidade de uma imunidade coletiva: o fato da Covid-19 ser uma doença zoonótica, a alta taxa de mutação do coronavírus e a inexistência de uma vacina que previna 100% as infecções. O primeiro é que a Covid-19 uma doença zoonótica, ou seja, ela não atinge só seres humanos. O coronavírus atinge morcegos, cobras, animais aquáticos, camelos. Então não é um vírus exclusivo do ser humano”, pontua. Dessa forma, mesmo com a vacinação em humanos, o coronavírus continua circulando em outras espécies. “O segundo ponto é que o coronavírus sofre mutações. As variantes vão surgindo e conseguem escapar, tanto da imunidade induzida por uma infecção natural quanto da imunidade eventual das vacinas. Do jeito que surgiu a Delta, outras variantes vão surgir e vão continuar surgindo. Então o coronavírus é um vírus que muta e o conceito de imunidade de rebanho é alcançado com vírus estáveis, como sarampo, rubéola e outras doenças, vamos dizer, erradicáveis”, explica o presidente da SBIm.

O médico ainda lembra que as vacinas disponíveis atualmente não são capazes de conter a infecção ou a transmissão do coronavírus. “ Elas são muito boas para prevenir as formas graves, leves e moderadas da doença, e são razoáveis em sua capacidade de reduzir transmissão”, diz. “Junta tudo isso: é um vírus zoonótico, que sofre mutações, e temos vacinas que não são capazes de eliminar a transmissão e não garantem proteção ao longo prazo, ou seja, será necessário realizar uma revacinação. É um objetivo [a imunidade coletiva], ao me ver, inalcançável”, completa Kfouri. Ingrid ressalta, porém, que, no momento, a vacinação continua sendo o melhor caminho para enfrentar a pandemia. “A gente tem que ter em mente sempre que as vacinas que a gente está utilizando hoje estão funcionando muito bem para prevenir doenças graves, hospitalizações e mortes e funcionando bem contra a variante Delta“, reforça a médica da BP, que acrescenta que as medidas de higiene ainda são essenciais.

A gente tem que se adequar a essa dinâmica da pandemia. Lógico que não é mais aquilo que a gente viveu em 2020, mas ela também não está inexistente dentro da nossa sociedade e estamos diante de uma variante que parece diminuir a proteção. Então, além da vacinação e da dose de reforço, é importantíssimo manter o uso das máscaras, de preferência a N95 ou a cirúrgica, o distanciamento social, a higienização das mãos e, quem puder, se manter em casa”, diz Ingrid. Com vacinação e medidas protetivas, Kfouri acredita que o coronavírus deve se tornar endêmico, assim como o vírus da influenza. “Ele vai se adaptar e vai ser um vírus como o da gripe ou qualquer outro vírus respiratório, indistinguível de outros, que nem a H1N1 que circula todo o ano no país. O vírus se torna endêmico, adquire uma sazonalidade, atinge grupos mais vulneráveis, mas não faz esse estrago. É o mecanismo de adaptação do vírus e de circulação na sociedade. É o que a maioria dos especialistas entende que deve ser o comportamento do vírus no período pós-pandêmico”, finaliza o presidente da SBIm.

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Diva do Brás dá dicas para remover olheiras

Quem nunca passou pela situação de acordar e reparar numa coloração escura abaixo dos olhos acompanhado de um inchaço? Essas são as...

Saiba os benefícios da corrida de rua e comece agora mesmo

Correr faz bem para a mente e para o corpo, segundo o empresário Weber Micael da Silva, praticante do esporte há anos....

Restos mortais de vítimas do 11 de setembro são identificados após 20 anos

Por 20 anos, o consultório médico legista da cidade de Nova York conduziu discretamente a maior investigação de pessoas desaparecidas já realizada no país —...

‘Ajudei a redigir o documento pacificando as relações entre os Poderes’, diz Michel Temer

O esboço da carta à nação publicada nesta quinta-feira, 9, pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como uma forma de trégua entre os Poderes...