Arte Mexicana: Frida Kahlo e Diego Rivera, por Aldo Sampaio Raggio

Arte Mexicana: Frida Kahlo e Diego Rivera, por Aldo Sampaio Raggio

junho 14, 2019 0 Por Joana Figueredo

Frida Kahlo foi uma pintoramexicana que criou muitos retratos, auto-retratos e obras inspiradas na natureza e nos artefatos do México. Inspirada na cultura popular do país, ela empregou um estilo de arte popular ingênua para explorar questões de identidade, pós-colonialismo, gênero, classe e raça na sociedade mexicana.

Aldo Sampaio Raggio explica: “O museu dedicado a Frida Kalho “A Casa Azul” (La Casa Azul), por conta da estrutura de paredes azul-cobalto, é um museu-casa histórico e museu de arte dedicado à vida e à obra da artista mexicana Frida Kahlo.
Localizado na Colonia del Carmen de Coyoacán, na Cidade do México.
O edifício marca o local de nascimento de Kahlo e é também a casa onde ela cresceu, viveu com seu marido Diego Rivera por vários anos e faleceu. Em 1958, a casa foi doada a fim de transformá-la em um museu em homenagem a Kahlo.”

O museu contém uma coleção de obras de arte de Frida Kahlo, Diego Rivera e outros artistas, além de objetos de arte popular mexicana, artefatos pré-hispânicos, fotografias, objetos e itens pessoais. A coleção é exposta em todos os cômodos da casa, que permanece muito como era na década de 1950. Hoje, ele é o mais popular museu em Coyoacán e um dos mais visitados na Cidade do México.

Diego Rivera foi seu marido, e um dos maiores artistas plásticos mexicanos, especializado na prática do muralismo mexicano, nasceu no dia 8 de dezembro de 1886, na cidade de Guanajuato, no México. De ascendência judaica, ele iniciou sua trajetória artística estudando na Academia de Bellas Artes de San Carlos, no seu país de origem. Aos 21 anos ele teve a oportunidade de ir para a Europa, com o auxílio de uma bolsa de estudos, aí permanecendo até 1921.

Ivone de Arruda Sampaio comenta: “A passagem de Rivera pelo continente europeu aprimorou sua vocação para as artes, uma vez que neste período ele conhece vários artistas, como Pablo Picasso, Salvador Dalí, Juan Miró, além do arquiteto Antoni Gaudí, e movimentos estéticos que se tornaram fonte de inspiração para sua produção artística.”

A militância política de Rivera era outro aspecto importante de sua vida. Comunista, sua ideologia transparece com clareza entre os temas de sua obra. Em seus trabalhos é comum ver a presença dos indígenas, retratados em sua face sócio-histórica, sob um ponto de vista estritamente idealizado. Seus personagens guardam características clássicas, pois embora representadas em um estilo bi-dimensional, estas imagens se encorpam, inspiradas nas pinturas renascentistas e nas vivências do artista com o Cubismo.

Entre suas obras murais, são célebres as do Palácio do Governo, de 1929, e as do Palácio Nacional, de 1935, no México. Mas ele também atuou em Nova York, empenhando-se em um trabalho monumental no Rockfeller Center, de 1930 a 1934, o qual foi eliminado antes de sua conclusão, pois empreendia uma dura crítica ao sistema capitalista.

A casa sempre foi da família Kahlo, mas, desde 1958, tem servido como museu dedicado à vida e obra da pintora. Com cerca de 25.000 visitantes mensais, é um dos museus mais visitados da Cidade do México e o mais visitado em Coyoacán. “O museu demonstra o estilo de vida dos boêmios e intelectuais ricos do México Mexicano durante a primeira metade do século XX.” Explica Renato Carlos Sampaio Raggio.

O museu é composto de dez quartos. No piso térreo há uma sala que contém alguns trabalhos de Kahlo, principalmente obras menores como Frida y la cesárea, 1907-1954, Retrato de familia, de 1934, Ruina, 1947, Retrato de Guillermo Kahlo, 1952, El marxismo dará salud, 1954 (mostrando Kahlo jogando fora suas muletas), com a aquarela Diário de Frida, no centro. Este quarto era originalmente a sala de estar, onde Kahlo e Rivera entretinham suas visitas notáveis, como Sergei Eisenstein, Nelson Rockefeller, George Gershwin, Miguel Covarrubiase Dolores del Río.

O segundo e terceiro quartos são dedicados a itens pessoais e lembranças. Há ainda algumas obras de Rivera. Pinturas no terceiro quarto incluem Retrato de Carmen Portes Gil, 1921, Ofrenda del día de muertos, de 1943, e a Mujer con cuerpo de guitarra, de 1916. “No quarto seguinte contém pinturas contemporâneas de artistas como Paul Klee, José María Velasco, Joaquín Clausel, Celia Calderón Orozco e uma escultura de Mardonio Magaña.” Conta Attílio Renato Sampaio Raggio. O quinto quarto contém duas grandes figuras de Judas, “mujeres bonitos” de Tlatilco e figuras de Teotihuacan.

O sexto e o sétimo quartos são a cozinha e a sala de jantar. Ambos estão em estilo clássico mexicano, com tijolos amarelos brilhantes e chão, azul. Os dois quartos estão cheios de grandes vasos de cerâmica, pratos, talheres e copos, oriundos de Metepec, Oaxaca, Tlaquepaque e Guanajuato, todos conhecidos de seus produtos artesanais.

Fora da sala de jantar era o quarto de Rivera, com seu chapéu, casaco e roupas de trabalho ainda pendurados a um suporte de parede. Próximo a esse quarto há uma escada que leva da área de pátio para o andar superior. Esta área também contém itens de arte popular, do período colonial ao século XX. Nos dois cômodos do piso superior, abertos ao público, estão o quarto e o estúdio de Kahlo. O mobiliário original está preservado. Em um canto, suas cinzas estão em exposição, em uma urna, que é cercada por uma máscara funeral, alguns itens pessoais e espelhos no teto. Em sua cama há um espartilho pintado, que ela foi forçada a vestir para suportar sua coluna danificada. A cabeceira da cama contém a pintura de uma criança morta, e no pé há uma foto-montagem de Joseph Stalin, Vladimir Lênin, Karl Marx, Friedrich Engels e Mao tsé-tung.

O travesseiro é bordado com as palavras “não se esqueça de mim, meu amor.” Sua cadeira de rodas está encostada em um retrato inacabado de Stalin, em um cavalete que, supostamente, foi dado a ela por Nelson Rockefeller. Stalin tornou-se um herói para Kahlo depois de o Exército Vermelho vencer a Alemanha Nazista na Frente do Leste, na II Guerra Mundial.

A pintora Frida Kahlo tem um filme em sua homenagem onde conta com a história e de Diego Rivera. “Frida” é um filme estadunidense de 2002, do gênero drama biográfico, realizado por Julie Taymor. O roteiro é baseado em livro de Hayden Herrera, e retrata a vida da pintoramexicana Frida Kahlo.