21.3 C
Brasil
domingo, novembro 28, 2021
spot_img
InícioCorona VírusEstudo do Incor vai testar uso do canabidiol no tratamento da Covid...

Estudo do Incor vai testar uso do canabidiol no tratamento da Covid longa no Brasil

Que os derivados da Cannabis sativa, como o canabidiol (CBD), possuem diversos efeitos terapêuticos comprovados cientificamente boa parte dos médicos do Brasil e do mundo já sabe. Indicado principalmente para casos de epilepsia refratária e autismo, pesquisadores brasileiros do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo vão testar a substância CBD no tratamento da Síndrome pós-Covid, também conhecida como Covid longa. Será o primeiro estudo neste sentido no mundo, realizado com mil pacientes, e vai contar com outros hospitais e institutos de pesquisa públicos e privados pelo Brasil. No início da pandemia da Covid-19, os médicos se depararam com um vírus capaz de ir muito além de uma síndrome respiratória comum. Desde então, ela é considerada uma doença sistêmica.

“Quando a gente fala que a Covid-19 é considerada uma doença sistêmica, isso significa que ela pode acometer qualquer outra parte do corpo e não só os pulmões, a parte respiratória, como foi inicialmente identificado. Ela pode acometer outros órgãos e sistemas responsáveis por diversas funções do nosso organismo”, explica a infectologista Renata Bortoleto, COO da Medlink Tecnologia. Com isso, os médicos perceberam que alguns pacientes apresentavam sintomas além da fase mais crítica da infecção. “A Covid longa é um termo usado para explicar os casos de pessoas que têm complicações e sequelas pós-agudas da Covid. Elas têm um quadro de menor duração, com sintomas mais intensos, geralmente respiratórios, e isso se resolve, mas depois podem ter complicações e sequelas que podem durar semanas e meses”, completa Bortoleto.

De acordo com um estudo da University College London (UCL), publicado na The Lancet, realizado com 3.762 pessoas de 56 países, 91% dos pacientes precisam de mais de oito meses para se recuperar da Covid longa. Foram mais de 203 sintomas relatados, relacionados a dez sistemas diferentes do organismo. Alguns deles são: fadiga, fraqueza muscular, ansiedade, depressão, dores de cabeça, distúrbios do sono, entre outros. Segundo levantamento realizado pela Fair Health com 2 milhões de americanos infectados pela Covid-19, cerca de 23% deles retornaram ao médico um mês após o diagnóstico com queixas de sequelas. Algumas delas são decorrentes da persistência de uma resposta imunológica exagerada do corpo, o que causa um desequilíbrio da produção de proteínas do sistema imunológico.

O cardiologista do Incor, Edimar Bocchi, um dos coordenadores do estudo, chamou essa reação de “tempestade inflamatória”. Por ser reconhecido no mundo como um anti-inflamatório, é exatamente neste ponto que o CBD vai agir. Acredita-se que, assim como em outras doenças, o canabidiol pode ser capaz de equilibrar as citocinas — as proteínas que regulam a resposta imunológica. “Não existe nenhum outro estudo no mundo  a respeito de canabidiol nesta doença crônica. Mas a Organização Mundial da Saúde (OMS) colocou o tratamento da Covid longa como prioridade, pela alta incidência dela. Como o CBD foi provado como um anti-inflamatório em outros modelos, existe uma razão para utilizar nessa população”, explica Edimar. No mundo, alguns médicos já testam o medicamento em seus pacientes e os resultados são positivos. Ele destaca que algumas sequelas da Covid longa, como a fadiga, comprometem a qualidade de vida dos pacientes. Por isso, a necessidade de tratamento é urgente.

“O mais importante é que, até agora, não tem nenhuma terapia aprovada com benefício nessa atuação. Estão sendo testadas várias medicações, mas não existe nada que possa tratar essa sintomatologia que é frequentemente debilitante. O que se tem hoje é uma reabilitação multidisciplinar”, completa Edimar. A infectologista Renata Bortoleto afirma que ainda não dá para dizer que a Covid longa é reversível, assim como não há nada que comprove que não é. “Ainda é considerada uma doença nova e não tem como prever os efeitos a longo prazo. É muito importante que se tenha um programa de reabilitação para quem tem complicações e sequelas.” Ela conta, inclusive, que já começaram a sair orientações na literatura para guiar essa reabilitação e avaliar se os sintomas são realmente sequelas da Covid-19 ou indicativos de outras doenças, de acordo com cada caso particular.

O estudo do Incor com a empresa canadense Verdemed já está todo planejado, escrito e com a medicação aguardando os próximos passos. Agora, os esforços estão concentrados na finalização da captação de recursos para ser submetido à Comissão de Ética em Pesquisa, incluir pacientes e colocá-lo em prática. Como a incidência de pacientes com Covid longa é alta, a instituição não deve encontrar dificuldades neste sentido. Se as pesquisas demonstrarem resultados consistentes e favoráveis ao tratamento da doença, ela também não deve ter problemas na Agência Nacional de Vigilância Sanitária. O fato do estudo ser desenvolvido originalmente no Brasil torna a capacidade de convencimento da Anvisa maior.

- Advertisment -spot_img

Ultimas Notícias