21.2 C
Brasil
quinta-feira, janeiro 28, 2021
Início Mundo Como o vírus definiu a política e o que aguarda os mais,...

Como o vírus definiu a política e o que aguarda os mais, mais em 2021

Como um chefe de governo sobrevive a um vírus que condena qualquer líder a escolher entre a derrocada econômica ou uma avalanche de cadáveres se acumulando em hospitais? Ou o que fazer quando sequer existe escolha?

Quando se fala num ano “cheio de desafios”, um dos clichês mais batidos para definir enrascadas em série, nem os mais pessimistas pensariam em algo parecido com 2020.

Quer tenham poder soft ou hard, quando não ambos, alguns dos mais importantes líderes mundiais terminaram o ano por cima.

Outros, na corda bamba. 

Todos ainda dependendo do que o vírus e seus irmãos mutantes ainda nos reservam.

A seguir, os casos mais interessantes.

Joe Biden

É quase inacreditável lembrar que há apenas dez meses, o presidente eleito dos Estados Unidos era motivo de chacota.

Na primeira eleição primária, no estado de Iowa, ele havia chegado num constrangedor quarto lugar, atrás de um desconhecido prefeito do interior, Pete Buttigieg, o primeiro pré-candidato gay, e duas relíquias da esquerda americana, os senadores Bernie Sanders e Elizabeth Warren.

“A campanha de Biden agoniza depois da sova de Iowa”, resumiu o influente e apaixonadamente democrata site Politico.

Hoje, Buttigieg está designado para o nada transcendental Departamento dos Transportes e os veteranos senadores tramam nos bastidores como empurrar Biden para fora do centro político no qual os eleitores americanos o consagraram presidente aos 78 anos de idade.

Para um político medíocre, sem grandes dons de oratória nem ideias arrojadas, Joseph Robinette Biden Jr. deve ter alguma conjunção astral mais poderosa do que a de Júpiter e Saturno, com uma trajetória de desgraças e triunfos de tragédia grega.

Os dramas são conhecidos: a mulher e a filhinha de um ano mortas num acidente de carro em que os dois filhos sobreviventes sofreram ferimentos graves. 

Depois, a perda de um desses filhos, justamente o predileto, aos 47 anos, para um gliobastoma arrasador. Os escândalos de drogas e possivelmente tráfico de influência do outro filho, o problemático. O romance deste com a viúva do irmão. E dá-lhe histórias de novela.

Além de ser bafejado pela benevolência das divindades da política, Joe Biden chegou aos 81 milhões de votos diretos e 306 no Colégio Eleitoral basicamente deixando agentes externos fazer o serviço.

Enquanto Biden se isolava no porão de sua casa – diminuindo as chances de cometer lapsos típicos da quase quarta idade – o novo coronavírus, cuja conta fatídica nos Estados Unidos já passa de 340 mil mortos, trabalhava a a seu favor. A espiral cruel aberta pelo vírus estilhaçou conquistas econômicas e expôs fragilidades de liderança. 

E Donald Trump trabalhou contra si mesmo, com comportamento errático e mercurial em relação a uma epidemia que só pode ter visto como uma conspiração contra si mesmo, acreditando que sua base, terrivelmente evangélica ou apenas acaloradamente apaixonada por um líder improvável como o presidente derrotado, lhe entregaria a segunda vitória contra todas as probabilidades.

Ganhou 74 milhões de votos, inacreditáveis para quem nunca se deu ao trabalho de tentar entender as razões políticas, sociais e culturais do fenômeno Trump.

Mas insuficientes para derrotar o candidato mais velho a ser eleito presidente dos Estados Unidos.

Cheio de experiência de bastidores sobre como são feitas as leis e as salsichas, com 36 anos de Senado e oito de vice-presidência, Biden assume em 20 de janeiro como o presidente normal que a maioria dos americanos queria. 

Mas os tempos continuam anormais, embora com uma vantagem para Biden: o que pode ser pior do que 2020?

Angela Merkel

Caminhando para uma aposentadoria autodecretada em 2021, tão irredutível que nem a pandemia nem as incertezas econômicas na Europa abalaram minimamente a decisão, a primeira-ministra alemã chegou ao fim de 2020 como a líder mundial mais unanimemente aprovada.

Em catorze países desenvolvidos, ocidentais e asiáticos, em média 75% dos pesquisados pela Pew Research acreditam que é possível confiar que ela vai tomar as decisões certas em questões mundiais importantes.

A pesquisa é um reflexo da inveja, secreta ou declarada, que muitos sentiram dos alemães quando a primeira onda da epidemia varreu a Europa e a Alemanha não perdeu o controle, como chegou perigosamente perto de acontecer em países como a Itália e a Espanha.

Embora o sistema federativo dê muita autonomia aos estados alemães em decisões sanitárias e o sistema de saúde descentralizado e organizado tenha sido o elemento principal no combate à pandemia, Merkel fez o mais importante: falou de maneira simples, direta, eficaz e até um tanto dramática, em termos alemães, sobre o perigo que o vírus trazia e como exigiria sacrifícios de todos.

Quando um líder com credibilidade fala, é ouvido.

Na primeira fase da epidemia, a Alemanha ficou na casa dos 30 mil mortos, ou 362 óbitos por milhão de habitantes. Quase um terço dos números em países como a Itália (1 190 por milhão), Reino Unido (1040) ou França (958).

A segunda onda está sendo pior para a Alemanha, com o número de vítimas diárias chegando a quase mil e reclamações sobre a demora na vacinação, que só começou ontem por causa da burocracia da União Europeia.

Como o sistema parlamentarista permite chefes de governo com longos períodos de poder, Angela Merkel terá acumulado 16 anos como primeira-ministra quando deixar o cargo. 

Quem quer que seja seu substituto vai começar em posição de desvantagem: não ser Angela Merkel.

Continua após a publicidade

Xi Jinping

Na mesma pesquisa em que a primeira-ministra alemã tem 75% de confiabilidade, Xi Jinping aparece com 19%. Como não existe nada parecido com democracia na China, é impossível saber a opinião dos chineses sobre seu próprio presidente.

Mas é possível sugerir que 2020 foi um ano ruim para Xi Jinping fora da China e muito bom para ele dentro dela.

O controle da epidemia em seu marco zero dá razões ao líder do comunismo capitalista para mostrar como os modelos ocidentais se lascaram e o modelo chinês foi eficiente. Mesmo para quem não acredita completamente que no berço do vírus tenha havido tenha havido um total de 4.634 mortes.

O líder chinês também aproveitou o pandemônio da pandemia para apertar os parafusos sobre Hong Kong, com uma lei de segurança nacional que praticamente acaba com qualquer ilusão de judiciário autônomo, e sobre os uigures, minoria étnica muçulmana tratada na base de repressão e confinamento em massa.

A China termina o ano com um crescimento econômico de 2,1% – pouco em termos chineses, um milagre em termos do desastre causado pela pandemia no ocidente – e previsão de 8,4% em 2021.

O ano novo chinês é em fevereiro e Xi Jinping terá motivos duplos para comemorar o ano do boi ou búfalo: Donald Trump não estará mais na Casa Branca e ele estará mais poderoso do nunca.

Boris Johnson

O Reino Unido começa 2021 fora da União Europeia, dentro da liga dos países que se destacam pelas vacinas contra o vírus e com um primeiro-ministro que no último minuto do último dia da penúltima semana conseguiu uma vitória nada menos do que espetacular.

Nenhuma montanha foi tão russa para um governante como a sucessão de dramas de Boris Johnson.

Muitos provocados por sua própria tendência a falar uma coisa e, em questão de dias, fazer outra, dividido pelas duas fenomenais que a pandemia desencadeou: a crise de saúde e a devastação econômica.

De todos os governantes que tiveram Covid-19 (Jair Bolsonaro, Donald Trump, Emmanuel Macron), nenhum ficou em estado tão grave quanto Boris.

Depois da alta, no começo de abril, ele chegou a dizer que sua probabilidade de sobrevivência estiveram na casa dos 50%.

E logo em seguida também foi pai pela quinta vez (ou sexta, ninguém crava). 

Ver a economia sob risco de derretimento, os números de mortos subindo sem parar e sua capacidade de liderança justamente contestada por vários parlamentares de seu próprio partido já seria suficientemente complicado. 

Enfrentar tudo isso com chorinho de bebê novo deve ter adicionado um complicador extra.

Com a segunda onda crescendo, a economia amarrada pelo abre e fecha,  a descoberta de uma variante local do vírus, uma parte da população proibida de sequer ver os familiares mais próximos no Natal e a intransigência da União Europeia – leia-se França – boicotando um acordo negociado para o Brexit, Boris e o reino inteiro entraram na penúltima semana do ano numa espécie de paroxismo.

No último minuto, saiu o acordo.

Acordo bom é aquele em que as duas partes podem dizer que saíram ganhando. Mas Boris teve mais motivos para comemorar o pacto pelo qual o reino pode continuar a vender produtos e serviços sem tarifas extras, o que seria um desastre em condições normais e uma catástrofe no quadro atual.

“Boris Johnson conseguiu um acordo para o Brexit que muito o consideravam incapaz de negociar”, resumiu Matthew Elliot, um dos mais irredutíveis partidários da separação com a União Europeia. 

Com um Brexit favorável e uma enxurrada de vacinas – depois da da Pfizer, a de Oxford em conjunção com a AstraZeneca -, o annus horribilis termina, quase inacreditavelmente, com otimismo.

Já se fala em imunização das camadas mais vulneráveis até o fim de fevereiro – entre 12 e 15 milhões de pessoas -, com a consequente normalização progressiva das atividades econômicas. 

E não é só no curto prazo: uma avaliação do Centro para Pesquisas de Economia e Negócios prevê que o país continuará na posição de quinta maior economia do mundo e, com Brexit e tudo, ou talvez pelo aumento de competitividade que a separação em princípio propicia, vai disparar no setor de tecnologia. Em 2035, terá um PIB 23% maior do que o da França.

Apesar dos exageros e da evidente mãozinha do governo nas avaliações mais otimistas, alguma coisa parecida com isso já faria de 2021 um potencial annus mirabilis.

Benjamin Netanyahu

O primeiro-ministro israelense começou 2020 fazendo o que faz de melhor – sobreviver e impor o tom da vida política – e terminou do mesmo jeito. 

Com a diferença de que Israel está entrando no terceiro lockdown e na quarta eleição em dois anos.

O que parecia uma administração exemplar da crise do vírus retrocedeu para a vala comum das infecções que voltam, aumentam, causam animosidade entre os cidadãos e corroem a popularidade dos governantes.

Com uma população de nove milhões de habitante e boa capacidade organizacional, Israel pode conseguir que a ampla maioria de seus cidadãos esteja vacinada até o fim do primeiro trimestre de 2021. 

Exatamente a tempo para a eleição de 23 de março, quando Netanyahu enfrentará pela primeira vez uma ameaça categórica vinda da própria direita, com figuras importantes de seu próprio partido rompendo publicamente com ele.

Em condições normais, 2020 teria sido um ano de vitórias para Netanyahu: abafou o seu incômodo adversário de coalizão, Benny Gantz; venceu  pelo cansaço (ou pelo vírus) os protestos  que miram no seu julgamento por corrupção e conseguiu negociar, com uma tremenda ajuda de Donald Trump, acordos de normalização de relações com quatro países muçulmanos.

Como as condições foram extremamente anormais, podem ter criado os elementos para encerrar os quinze anos, em duas fases, de Netanyahu no poder.

Ou o primeiro-ministro poderá dizer, mais uma vez, que o anúncio de sua morte política foi um tanto precipitado.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

A receita portuguesa (por Marcos Magalhães)

A reeleição de Marcelo Rebelo de Sousa em Portugal, no domingo, passou ao largo do radar dos observadores políticos brasileiros. Afinal, foi mais do...

Índia, China e Biden (por André Gustavo Stumpf)

O governo brasileiro como um todo, e sua diplomacia em particular, aprenderam muito nos últimos dias. Não há nenhum problema específico na relação diplomática...

O “Palácio de Putin”, ou templo da corrupção, desconstruído em detalhes

Alexei Navalny voltou para a Rússia e foi preso, como estava previsto. Milhares de partidários de seu projeto oposicionista saíram para protestar e muitos...

Casa Branca retoma planos de incluir ativista negra em cédula de dólar

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta segunda-feira, 25, que vai reviver o projeto para incluir o retrato da ativista negra Harriet Tubman nas...