25.3 C
Brasil
sábado, janeiro 16, 2021
Início Brasil Casos de intoxicação de crianças dentro de casa crescem na pandemia

Casos de intoxicação de crianças dentro de casa crescem na pandemia

Mãe de Marina, de 2 anos, e de Arthur, de 5 anos, a jornalista Laís Gimenez tem uma preocupação constante desde que os filhos nasceram: a de mantê-los longe dos produtos de limpeza. Morando em uma casa pequena e com pouco lugar para armazenar as compras, ela conta que não conseguiu deixar as embalagens longe do alcance das crianças — como é recomendado por especialistas. Para driblar o problema, Laís investe em muita orientação e em cuidados com o tipo de produto escolhido.

“Desde pequenininho a gente sempre orienta que não pode mexer, que faz mal, pode machucar. E eles sempre entenderam, porque nem abrem o armário que tem produto de limpeza. Se você guarda o produto em garrafas, a criança pode acabar tomando. Se você compra um produto com cheiro de chiclete, de morango, coisas que relacionam com comida, a gente evita por conta disso também.” De acordo com registros da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a intoxicação por produtos de limpeza em crianças cresceu durante a pandemia.

Ainda não se sabe, no entanto, se o fato está relacionado ao maior tempo que as crianças estão passando em causa ou com o aumento dos esforços de higienização e desinfecção nas casas. De um jeito ou de outro, o fato é que, segundo dados da Anvisa, de janeiro a abril deste ano, os casos de crianças intoxicadas cresceram 6% quando comparados ao mesmo período de 2019 e quase 2% em relação a 2018. O secretário do Departamento de Segurança da Criança e do Adolescente da Sociedade de Pediatria de São Paulo explica que a intoxicação pode acontecer através da ingestão ou inalação de algum produto.

Alexandre Hirata ressalta que é importante procurar um médico assim que os responsáveis identificarem o problema. “Não existe ao certo a quantidade ingerida pela qual podemos dizer que a criança corre riscos. Isso está muito relacionado ao tipo de produto que ele acaba ingerindo. A partir do momento que houver uma suspeita de ingestão, deve ser levado imediatamente ao serviço médico juntamente com a embalagem do produto.” Além de cuidados como manter os produtos fora do alcance das crianças e guardá-los nas embalagens originais, no caso de emergências toxicológicas, o indicado é não provocar vômito. Segundo o especialista, o recomendado é ligar para o Centro de Informação e Assistência Toxicológica no número 0800-722-6001.

*Com informações da repórter Beatriz Manfredini

- Advertisment -

Ultimas Notícias

“A violência ameaça a democracia”, diz filósofo Michael Sandel

A suspensão das contas de Trump no Twitter e no Facebook é um tipo de censura? Trump espalha a versão mentirosa de que a eleição...

Com suspensão de contas, redes sociais suscitam debate sobre livre opinião

Há 3 000 anos, os gregos ergueram um dos pilares que ajudaram a erigir a civilização ocidental: o conceito de liberdade de expressão. Nas Ágoras,...

A ultraexclusiva ilha de milionários e famosos de Miami

Vida de jogador é assim: cada vez que muda de time, a família inteira tem de fazer as malas e se instalar em um...

Polícia Federal prende jogador de golfe procurado pela Interpol no Rio

A Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira, 14, o jogador de golfe argentino Ángel Cabrera, de 51 anos, no Leblon, Zona Sul do Rio de...