24.3 C
Brasil
segunda-feira, novembro 23, 2020
Início Corona Vírus O Brasil gastou demais no combate à pandemia da Covid-19?

O Brasil gastou demais no combate à pandemia da Covid-19?

Diante da pandemia de Covid-19, o governo não poupou dinheiro com o auxílio emergencial e com programas setoriais para ajudar a economia. Até outubro, os gastos somaram R$ 452 bilhões, segundo o Tesouro Nacional, com uma previsão de R$ 587,7 bilhões até o fim do ano. Mas agora, enquanto a ansiedade pela crise diminui, uma pergunta ronda os investidores estrangeiros: será que o Brasil não gastou mais do que podia? O país, afinal, tem o sexto maior gasto do mundo na comparação com o PIB (Produto Interno Bruto).

  • Japão              21,1%
  • Canadá           16,4%
  • Austrália          14%
  • EUA                13,2%
  • Turquia            12,8%
  • Brasil               12%
  • Alemanha        8,9%
  • França             6%
  • Itália                4,9%

Na semana que passou, classificando de “abordagem de país rico” a resposta brasileira à Covid-19, a Bloomberg fala de uma rebelião do mercado financeiro contra o Brasil. Até 22 de outubro, o saldo estrangeiro na B3 estava negativo em R$ 66,2 bilhões. Além de vender ações, o investidores estrangeiros têm deixado de comprar reais, derrubando a moeda brasileira em um ritmo quase sem paralelo no mundo. Eles estariam aceitando comprar apenas títulos do governo, mas só os de curto prazo. Será que há lógica nessa crítica e o Brasil deveria ter gastado menos? Uma maneira de responder é olhar o que deve acontecer com a economia esse ano.

Projeção 2020

  • Brasil               -4,8%
  • Alemanha        -5,4%
  • EUA                -5,5%
  • França             -10%
  • Reino Unido    -10%

O PIB do Brasil deve cair 4,8% este ano, segundo projeção do último Boletim Focus, do Banco Central. Já a economia da França e do Reino Unido devem ter retração de 10% este ano. Os Estados Unidos devem cair 5,5%, quase o mesmo da Alemanha, 5,4%. Neste ponto, os defensores de uma resposta mais ampla podem dizer que os gastos contra a Covid-19 evitaram o pior. Mas, se o analisado é a proporção de gastos na comparação com outros países emergentes e a previsão do PIB, esse cenário fica mais complexo.

 Dívida x PIB – Projeção 2020

  • Brasil               90,1%                -4,8%
  • Chile                32%                   -5,9%
  • Peru                50%                   -12,8%
  • México             60%                   -10%
  • Colômbia         57,2%                -6,6%

As despesas com a Covid-19 elevaram a dívida pública a 90% do PIB. Mas também na comparação com a América Latina o Brasil deve cair menos. Menos 4,8% contra até -12,8%. Mas no pós-pandemia o país certamente terá menos margem para gastos do que os demais países, com dívidas bem mais baixas. E é isso que importa. Os gastos maiores agora vão importar menos se o país cortar despesas. Vai dar para dizer que foi um custo alto, mas que valeu a pena, evitando uma crise pior. Mas se a dívida continuar nesse patamar ou mesmo subindo, sem reformas e privatizações, o país deve ter mais dificuldades do que os demais. Ou seja, mais do que o que já gastamos, importa mesmo o que vamos deixar de gastar.

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Guedes diz que auxílio emergencial não será prorrogado e acaba em dezembro

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta segunda feira, 23, que não há previsão para nova extensão do auxílio emergencial para além do...

Contrariando recomendações, Casa Branca organiza festa de fim de ano

A primeira-dama dos Estados Unidos, Melania Trump, realizará uma festa de fim de ano na Casa Branca no dia 30 de novembro, de acordo...

Zezé Polessa testa positivo para Covid-19 após reestrear peça

Zezé Polessa está com Covid-19 (Imagem: Reprodução / Globo) Zezé Polessa é mais uma famosa que testou positivo para a Covid-19. No ar na reprise...

Grávida, namorada de Jorge, da dupla com Mateus, revela sexo do bebê

Jorge e Rachel Boscatti estão juntos desde fevereiro (Imagens: Divulgação – Instagram / Montagem – RD1) A ansiedade e curiosidade acabaram. Jorge, da dupla com...