27.1 C
Brasil
quarta-feira, dezembro 2, 2020
Início Mundo Trump é maior disseminador de desinformação sobre Covid, mostra estudo

Trump é maior disseminador de desinformação sobre Covid, mostra estudo

Um estudo de pesquisadores da universidade de Cornell, nos Estados Unidos, mostrou que o presidente Donald Trump foi o maior impulsionador de postagens com informações falsas sobre a pandemia de Covid-19. O republicano foi citado em 37% dos textos analisados pelo estudo.

Ao todo, os pesquisadores analisaram 38 milhões de artigos na imprensa em língua inglesa. O estudo classificou em tópicos os milhões de textos analisados entre os dias 1 de janeiro e 26 de maio.

Trump aparece em dois: quando é mencionado em textos com informações imprecisas ou deliberadamente enganosos (37,9%), e em artigos que alegam, em termos gerais, que o presidente espalhou informações incorretas sobre a doença (10,3%).

“Descobrimos que as menções da mídia ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no contexto da desinformação da Covid-19, constituíram de longe a maior parcela da ‘infodemia’, bem a frente de qualquer outro tópico”, explicaram os pesquisadores. “Concluímos que o presidente dos Estados Unidos foi provavelmente o maior impulsionador da desinformação da Covid-19”.

No entanto, o estudo sugere que a maior parte da mídia contribuiu para desinformação ao “relatarem e, às vezes, amplificarem as vozes de vários atores em todo o espectro político que defenderam curas não comprovadas, negaram o que é conhecido cientificamente sobre a natureza e as origens do novo coronavírus, ou que propuseram teorias de conspiração”. Apenas 16,4% dos textos tinham como objetivo “corrigir a desinformação” para com a audiência.

O estudo classificou a desinformação em 11 tópicos, sendo mais frequentes as curas milagrosas (26,4%). Logo em seguida vêm teorias conspiratórias sobre uma Nova Ordem Mundial (4,4%), boatos sobre o Partido Democrata (3,6%), armas biológicas e laboratórios em Wuhan  – cidade na China onde a pandemia teve início – (2,6%), o fundador da Microsoft, Bill Gates, (2,5%), tecnologia 5G (2,1%), conspirações antisemitas (1,6%), controle populacional (1,3%), o infectologista da Casa Branca, Anthony Fauci, (1,0%), a teoria de que a indústria farmacêutica criou o vírus (0,7%) e, por fim, a sopa de morcego ter sido responsável pelo surto (0,6%).

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Procuradoria chama lista de ‘detratores’ do governo de ‘medida de censura indireta’

O Subprocurador-Geral da República e Procurador Federal dos Direitos do Cidadão, Carlos Alberto Vilhena, e a procuradora Mariane Guimarães de Mello Oliveira, coordenadora do...

Hospital privado de SP registra número recorde de atendimentos de síndrome gripal

O volume de atendimentos de pacientes com síndrome gripal nas últimas duas semanas no hospital HCor, localizado no bairro Paraíso, em São Paulo, foi...

Gafanhotos que atingem lavouras do RS não são danosos, diz estudo

A Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Rio Grande do Sul divulgou nesta quarta-feira, 2, nota técnica afirmando que as duas espécies...

Brasil registra 698 mortes e quase 50 mil novos casos de Covid-19

O Brasil registrou 698 novas mortes e 49.863 casos de contaminação pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas. Os dados são de um boletim...