25.2 C
Brasil
quarta-feira, dezembro 2, 2020
Início Mundo Suspensão de aulas afetará economia global até fim do século, diz OCDE

Suspensão de aulas afetará economia global até fim do século, diz OCDE

Em um novo relatório, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) alertou que a suspensão das atividades escolares provocada pela pandemia de Covid-19 deve provocar fortes impactos na economia mundial, que podem durar até o fim do século. Segundo economistas que participaram do estudo, divulgado nesta terça-feira, 8, a suspensão pode levar a uma perda de, em média, 1,5% na economia global durante este período.

“A perda de aprendizado levará à perda de habilidades, e as habilidades que as pessoas têm se relacionam com sua produtividade”, afirma o estudo. Para o cenário pós-pandemia na educação, o relatório prevê que o investimento mundial na educação irá declinar mais rápido do que durante a crise de 2008, uma vez que os governos precisam lidar com orçamentos mais enxutos e priorizar outras áreas.

As consequências de uma nova quarentena seriam ainda piores para a economia global, segundo o estudo, que estima uma redução do crescimento mundial de 6% em 2020. A falta de estudos acarreta na falta de mão de obra qualificada. 

Na edição da semana: a importância das reformas para a saúde da economia. E mais: os segredos da advogada que conviveu com QueirozVEJA/VEJA

Segundo a organização, a pandemia de Covid-19  também expõe a fragilidade dos sistemas econômicos construídos nos países.

“A crise de saúde que estamos experimentando sem dúvidas terá impacto no desemprego, e aqueles com baixa instrução educacional podem ser os mais vulneráveis”.

No Brasil, as escolas e universidades estão parcialmente fechadas desde março, com algumas cidades e estados já retomando as aulas presenciais. No entanto, a dúvida sobre como e com quais medidas a serem adotadas para melhorar a segurança devem ser adotadas é recorrente.

O relatório também coloca luz sobre a situação no Brasil: 30% dos jovens entre 20 e 24 anos não estudam ou trabalham. O número é maior do que em 2009, quando 25% das pessoas dentro da faixa etária não estavam no mercado de trabalho ou em salas de aula.

Enquanto em Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Grécia, Itália, México, África do Sul e Turquia a cifra desses jovens é de 20%, somente o Brasil, a Dinamarca e a Grécia registraram um aumento nos últimos dez anos.

Em média, 15,2% dos jovens nos países que compõem a OCDE se encontram nessa situação. O número, no entanto, é um dos menores já registrados desde os anos 2000, e segue uma tendência de queda durante os anos de recuperação pós crise econômica de 2008. Segundo o relatório, os jovens em sala de aula possuem uma chance melhor de ficarem ativos economicamente.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Procuradoria chama lista de ‘detratores’ do governo de ‘medida de censura indireta’

O Subprocurador-Geral da República e Procurador Federal dos Direitos do Cidadão, Carlos Alberto Vilhena, e a procuradora Mariane Guimarães de Mello Oliveira, coordenadora do...

Hospital privado de SP registra número recorde de atendimentos de síndrome gripal

O volume de atendimentos de pacientes com síndrome gripal nas últimas duas semanas no hospital HCor, localizado no bairro Paraíso, em São Paulo, foi...

Gafanhotos que atingem lavouras do RS não são danosos, diz estudo

A Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Rio Grande do Sul divulgou nesta quarta-feira, 2, nota técnica afirmando que as duas espécies...

Brasil registra 698 mortes e quase 50 mil novos casos de Covid-19

O Brasil registrou 698 novas mortes e 49.863 casos de contaminação pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas. Os dados são de um boletim...