Pessoas dormiram nas filas para conseguir atendimento e ter acesso ao auxílio emergencial de R$ 600 do governo federal.

Antes das 7h da manhã desta terça-feira (14), novas filas se formavam em sedes da Receita Federal de diferentes regiões do Rio de Janeiro para regularização do Cadastro de Pessoa Física (CPF), condição para receber o auxilio emergencial de R$ 600 durante a pandemia do coronavírus.

Às 6h50, pessoas aguardavam ao longo da calçada da agência em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, que só abre as portas às 10h.

Nesta segunda (13), muitas pessoas se aglomeravam na unidade da Receita Federal em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio — Foto: reprodução/TV Globo
Nesta segunda (13), muitas pessoas se aglomeravam na unidade da Receita Federal em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio — Foto: reprodução/TV Globo

No mesmo horário, em Madureira, na Zona Norte, pessoas deitavam na calçada para aguardar o atendimento na Receita Federal. Outras levaram caixotes para sentar enquanto a fila seguia até dobrar a esquina da rua.

Fila ao longo da calçada da sede da Receita Federal em Madureira, na Zona Norte do Rio — Foto: Reprodução/TV Globo
Fila ao longo da calçada da sede da Receita Federal em Madureira, na Zona Norte do Rio — Foto: Reprodução/TV Globo

Na Região Metropolitana do Rio, os primeiros da fila em São Gonçalo chegaram às 18h de segunda-feira (13) para garantir atendimento no dia seguinte. Na porta da agência, um papel avisava que as senhas para esta terça-feira (14) já estavam esgotadas.

Aglomerações em São Gonçalo, na Região Metropolitana, por atendimento na Receita Federal — Foto: Reprodução/TV Globo
Aglomerações em São Gonçalo, na Região Metropolitana, por atendimento na Receita Federal — Foto: Reprodução/TV Globo

A situação vem se repetindo nos últimos dias em função do pagamento da primeira parcela do auxílio emergencial, entregue nesta terça (14) a quem está no Cadastro Único, não recebe Bolsa Família e não tem conta no Banco do Brasil ou poupança na Caixa Econômica Federal.

Na segunda-feira (13), muitas pessoas se aglomeraram na porta da Receita Federal de Campo Grande, na Zona Oeste, depois de filas durante toda a manhã. Na Baixada Fluminense, em Duque de Caxias, e na Zona Norte, em Madureira, o mesmo panorama se repetia.

Nas filas, as principais reclamações eram de pessoas que não conseguiram solicitar ou finalizar o atendimento pela internet. Outros casos eram de pessoas que nunca chegaram a ter o Cadastro de Pessoa Física (CPF).

Superintendente da Receita Federal tira dúvidas sobre regularização de CPF
Superintendente da Receita Federal tira dúvidas sobre regularização de CPF

Segundo o superintendente regional da Receita Federal, Flávio José Passos Coelho, só é preciso comparecer às agências quem foi solicitado ou que não pode resolver a situação pela internet.

‘Muitas vezes, a pessoa foi ao aplicativo ou site da Caixa e encontrou dificuldade para se cadastrar. A pessoa precisa tentar novamente e verificar o que está acontecendo. Às vezes, a pessoa não tem o nome da mãe no documento e não sabe o que fazer. Nesse caso, ela pode conseguir esse atendimento por meio da caixa corporativa, o e-mail’, explica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui