De maneira extremamente discreta, AMD lançou (por enquanto só na China), mais um Ryzen para incrementar seu line-up da série 3000, entretanto, frustrando as expectativas de quem estava esperando pelo seu topo de linha. O Ryzen 9 3950X foi adiado para Novembro, mas como a AMD claramente estava trabalhando a todo vapor, veio no último dia 09 de Outubro sem muito barulho o Ryzen 5 3500X, inclusive com direito a benchmark.

O novo processador da série 3000 é um Ryzen 5, de seis núcleos e seis threads, sem qualquer núcleo virtual (AMD SMT/multi-thread simultâneo) e compete diretamente com o Intel Core i5 9400F, também de seis núcleos físicos, seis threads e também sem qualquer tecnologia de Hyper-Threading, a tecnologia correspondente do lado azul da Força.

Os setups utilizados para os testes foram uma placa mãe MSI B450  Mortar Titanium (AMD) e uma MSI B360M Mortar Titanium (Intel), ambos com 2×8 GB DDR4-3200. Em praticamente todos os benchmarks técnicos o processador de seis núcleos da AMD se colocou a frente do i5 9400F.

A escassez de produtos da linha i9 e i7 e abundância de processadores da linha i5 é justamente a razão pela qual a AMD não tinha realmente o senso de urgência para lançar o Ryzen 9 3950X, e optou de maneira acertada em trazer um competidor direto ao segmento de processadores no qual estão desfalcados em relação a Intel. Então nasceu o Ryzen 5 3500X. Com preço anunciado no mercado interno na China de ¥1099,00 (Yuan Chineses), aproximadamente  € 140,00, ele pode chegar com potencial para oferecer ameaça ao modelo da Intel com o qual está sendo comparado, que atualmente aparece no mercado europeu por algo em torno de € 150,00.

Com frequência base de 3.6GHz e boost em 4.1GHz, ele vem equipado com 32MB de cache L3, TDP de 65W e acompanha o cooler stock da linha Ghost Stealth.

Seguem alguns dados comparativos de onde o novo processador aparece no line-up da empresa e os benchmarks apresentados pelo site chinês ExpReview.

Não foi divulgada data para seu lançamento mundial.

 

Formado em Letras pela Universidade Estadual de Campinas em 2013, professor, tradutor e revisor. Nas horas vagas, instalando impressora e formatando PCs desde os tempos que Alone In The Dark era um jogo bom e ocupava 4 disketes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui