Werther Santana/Estadão

‘Na China, nossos produtos são despachados direto das fábricas’, diz Ken Huang, lider para América Latina da AliExpress

Leia maisComo funciona a primeira loja física da AliExpress no BrasilSites chineses lideram compras online no Brasil, diz pesquisaAos 20 anos, Alibaba resiste a ‘sair de casa’

Ao chegar no Brasil, há seis anos, o site chinês AliExpress parecia um grande repositório de bugigangas: produtos baratos, alguns com qualidade duvidosa, e pelos quais o consumidor tinha de esperar por meses. Mesmo assim, a divisão de comércio eletrônico da gigante chinesa Alibaba se tornou, em 2019, o principal site internacional de compras na preferência dos brasileiros, deixando para trás Amazon e eBay. 

A demanda local, que faz do Brasil um das cinco principais mercados do AliExpress no mundo, é o motivo pelo qual Ken Huang, líder da chinesa para o mercado latino-americano, vem ao País a cada dois meses. Seu maior desafio é reduzir o tempo de entrega dos produtos, que costuma passar de um mês – e que ele admite estar bastante aquém do desejável. Para resolver a questão, Huang disse ao Estado que a empresa estuda, a médio prazo, abrir um centro de distribuição local, mantendo produtos mais perto dos brasileiros. 

Além disso, trabalha com parceiros para flexibilizar entregas e uma rede de fornecedores para ter produtos mais baratos. Além de logística, o executivo falou sobre o uso de tecnologia nos negócios da companhia e a possibilidade de abrir lojas físicas por aqui – no mês passado, a empresa fez loja pop-up (temporária) em Curitiba, em parceria com o unicórnio Ebanx. 

Há poucos mercados com uma população tão grande quanto a do Brasil. Os consumidores são jovens, engajados e têm hábitos digitais. Há algumas razões para a AliExpress ser bem recebida no Brasil. Uma é a seleção de produtos. A melhor maneira de ter acesso à diversidade de produtos é a importação direta da China. Somos o único país capaz de fabricar todos os tipos de produtos. Temos um preço muito competitivo, pois muitos dos nossos produtos são despachados direto das fábricas. Isso nos dá uma vantagem competitiva contra varejistas que precisam trabalhar com intermediários.

Sem dúvida, a logística. Fazemos entregas dentro da China em até 30 minutos. Uma entrega da China para o Brasil não chega nem no aeroporto em meia hora. E ainda tem alfândega e entrega local no País. 

Ainda temos uma diferença grande no tempo de entrega, quando comparado a concorrentes locais. Hoje, exploramos o potencial e opções para despachar os produtos localmente. Poderíamos abrir um estoque de produtos ou reduzir o tempo de entrega. 

Há algumas opções. Não há nada confirmado, mas estudamos abrir um centro de distribuição com depósitos alugados, para onde despacharíamos os produtos. Ou fecharíamos parcerias locais. É algo a médio prazo. 

Tivemos um crescimento significativo no valor de compra nos últimos anos. Os brasileiros deixaram de comprar produtos super baratos e passaram a prestar atenção em eletrônicos, celulares, fones de ouvido e pulseiras conectadas – estas últimas têm sido muito populares, estão entre as mais vendidas. 

O projeto em Curitiba foi liderado pela Ebanx para testar a reação das pessoas, já que o nosso marketing sempre foi online. A Ebanx percebeu que muita gente não está nos achando na internet. Vimos alguma tração, mas não há certeza se foi um sucesso. Foi um teste e isso é sempre bom. Em Madri, a loja também foi uma parceria com o varejo local. Até agora, não há planos concretos para abrir lojas físicas no Brasil. Ainda acho que há grandes oportunidades para otimizar nossa operação online.

A AliExpress sempre foi um ecossistema aberto. Não posso dizer que seria exclusivamente com parceiros, mas ele teria papel importante.

Entrar em cada mercado exige preparação: impostos, regulação, avaliação jurídica, questões financeiras… Seguimos avaliando oportunidades. 

Temos um departamento chamado AliLanguage, que reconhece e traduz idiomas. Na AliExpress temos 18 idiomas – traduzidos para versões locais do site. Também temos tradução em tempo real entre vendedores e consumidores. O reconhecimento de linguagem é um elemento importante. 

Sim. Na AliExpress, moldamos e melhoramos essa tecnologia para atender a países diferentes. A recomendação para brasileiros e russos é bem diferente. Neste momento, os russos estão esquiando no inverno. Aqui, as pessoas querem biquínis. Nesse sistema, o comportamento individual do usuário não entra na conta.

A Cainiao, que é o braço logístico do Alibaba, também é parte da plataforma tecnológica do Alibaba. Muito da operação logística é baseado em tecnologia e IA. Imagina despachar produtos de diferentes partes da China para partes diferentes do Brasil. Você pode escolher rotas diferentes: você pode ir pela Europa, pelos EUA, pela Austrália…  Isso exige muita IA e aprendizado de máquina. 

É provável que não. Drones podem ser úteis em galpões ou espaços confinados. Em áreas públicas, há questões de segurança e de ruído que não tornam isso desejável. 

Tags:

compartilhe

Link permanente

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui