Segundo o site do TSE, Morales recebeu 47,1% dos votos, contra 36,51% para Mesa, resultado que encerram as eleições já no primeiro turno. Os números incluem os votos válidos dos eleitores na Bolívia e dos bolivianos espalhados por outros 33 países do mundo.

➤ Leia também: Evo Morales denuncia tentativa de golpe e declara estado de emergência Opositor Carlos Mesa denuncia manipulação eleitoral na Bolívia Evo Morales quer apuração transparente, diz vice-chanceler da Bolívia

Desde o início da apuração, o resultado vem sendo seriamente questionado por diversos setores bolivianos, que paralisaram várias cidades do país. Uma aliança opositora chegou a ser formada em torno de Carlos Mesa para exigir a convocação “imediata” de um segundo turno eleitoral.

As denúncias de fraude surgiram após um primeiro resultado do sistema de apuração rápida (TREP), sobre 84% dos votos, que indicava um segundo turno entre Morales e Mesa. Após a divulgação destes números, o sistema foi paralisado durante muitas horas e retornou indicando uma vitória direta do presidente.

Nesta quinta-feira 24, Morales se declarou vencedor das eleições em entrevista coletiva, mas admitiu a  possibilidade de disputar um segundo turno, caso o resultado final do TSE assim o determinasse, o que finalmente não ocorreu.

“Se a apuração final concluir que haverá segundo turno, participaremos, mas se o cálculo oficial mostrar que não, defenderemos o resultado”, afirmou o atual presidente.

— Evo Morales Ayma (@evoespueblo) October 24, 2019

Com o pleito definido, o governo boliviano comparou Carlos Mesa, candidato da oposição derrotado por Evo Morales, ao líder do Parlamento venezuelano Juan Guaidó, acusando-o de querer instalar um governo paralelo no país. “Mesa é o Guaidó andino”, disse o ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana.

“Está apostando pela via venezuelana de um governo paralelo. Com seu silêncio cúmplice está legitimando a violência”, acrescentou em alusão aos protestos e às convocações de greve feitos pela oposição contra os resultados eleitorais que dão a vitória a Morales no primeiro turno das eleições para a presidência.

O governo Morales afirma que a oposição, liderada por Mesa, promove uma revolta com objetivos golpistas, por negar a reconhecer os resultados do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE).

Citado pela agência de notícias do governo ABI, Quintana disse que “Mesa tem capacidade suficiente para entender que ele foi derrotado eleitoralmente e que sua vida política hoje depende apenas de Washington”, que, na sua opinião, deseja uma mudança de governo na Bolívia.

O ministro considerou que “é impossível que Carlos Mesa chegue à presidência por meios constitucionais” e alertou que os Estados Unidos usaram as mentiras de fraude e violência eleitorais para reconhecer o líder da oposição Guaidó como presidente interino da Venezuela.

Também nesta quinta-feira 24, a União Europeia (UE), os Estados Unidos e países sul-americanos como Brasil, Estados Unidos, Argentina e Colômbia somaram-se ao pedido da Organização dos Estados Americanos (OEA) para que se realize na Bolívia um segundo turno entre o presidente Evo Morales e o opositor Carlos Mesa, sob a justificativa de restabelecer a confiança no processo eleitoral, alvo de duras críticas.

“A União Europeia compartilha plenamente da avaliação da OEA no sentido de que as autoridades bolivianas deveriam concluir o processo de contagem em curso e que a melhor opção seria realizar um segundo turno para restabelecer a confiança e assegurar o respeito pleno à escolha democrática do povo boliviano”, declarou em um comunicado a porta-voz da diplomacia europeia, Maja Kocijancic, distribuído em La Paz.

… Mas não se vá ainda. Ajude-nos a manter de pé o trabalho de CartaCapital.

Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e nunca dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores. Seja Sócio CartaCapital, assine, contribua com um veículo dedicado a produzir diariamente uma informação de qualidade, profunda e analítica. A democracia agradece.

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

‘ + c[Math.floor(c.length/2)].textContent + ‘

‘ + div[Math.floor(div.length/2)].textContent + ‘

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui