A repórter Patrícia Campos Mello, da Folha, e o jornalista americano Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil, foram homenageados nesta quinta-feira (24) com o Prêmio Especial Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos deste ano. A cerimônia ocorreu no teatro Tucarena, em São Paulo.

O prêmio especial é direcionado a personalidades ou jornalistas com atuação destacada e contribuições para a democracia, paz e justiça.

Repórter especial e colunista da Folha, Campos Mello foi homenageada pela coragem e persistência diante de ameaças e represálias sofridas na internet. Ela é autora da reportagem que revelou que, durante as eleições de 2018, empresas brasileiras compraram de agências de marketing pacotes de mensagens em massa contra o PT, disparadas via WhatsApp.

A prática é vedada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Glenn, por sua vez, é homenageado pelo trabalho desenvolvido com a equipe do Intercept. O site tem publicado uma série de reportagens baseadas em mensagens trocadas no aplicativo Telegram por procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato e pelo ex-juiz Sergio Moro.

Desde junho, a Folha passou a publicar reportagens em parceria com o Intercept com base nesse acervo. Os diálogos levantam suspeitas sobre a atuação de integrantes do Ministério Público e do Judiciário brasileiro.

O prêmio também homenageou Hermínio Sacchetta (1909-1982), que passou pela Redação da Folha. Editor do jornal A Classe Operária, ele foi preso durante a ditadura do Estado Novo (1937-1945), de Getulio Vargas.

Em edições anteriores, foram laureados nomes como Elio Gaspari, colunista da Folha, Tim Lopes, repórter investigativo da TV Globo assassinado em 2002, e Cláudio Weber Abramo, um dos maiores especialistas em combate à corrupção e pioneiro no jornalismo de dados, morto em agosto de 2018.

A premiação é promovida pelo Instituto Vladimir Herzog em conjunto com outras 13 entidades, como a Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) e a Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas).

Criado em 1979, o Prêmio Vladimir Herzog é considerado uma das principais condecorações do jornalismo brasileiro e reconhece trabalhos que valorizam a democracia e os direitos humanos. Neste ano, de acordo com a organização, foram 692 produções inscritas.

Seu patrono, o jornalista Vladimir Herzog, foi morto pela ditadura em abril de 1975. Sua morte se tornou um dos símbolos da luta pelos direitos humanos e contra o regime militar.

CCR atinge meta da ONU com redução de 50% no índice de mortes em rodovias sob sua administração

Ouça agora o 8° episódio da série de podcast Papo Empreendedor

Exercitar corpo e mente garante longevidade saudável

Evento discute futuro do setor portuário

Veja como excesso de tributos e sonegação elevam preço dos combustíveis

Fumante recorre a produto vindo do exterior como alternativa ao cigarro

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Por favor, tente mais tarde!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui