A Campanha de Reconhecimento Voluntário de Paternidade do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) realizou 103 atendimentos no Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) de Fortaleza. Desses, 34 foram reconhecimentos espontâneos, no ato do atendimento, além de oito encaminhados para a realização de DNA. A força-tarefa começou dia 7 e foi concluída na última sexta sexta-feira (18).

A juíza Ana Kayrena da Silva Freitas, coordenadora do Cejusc, revelou que a maioria dos casos atendidos foram de casais que já viviam junto e, por alguma razão, não fizeram o registro na época devida. A magistrada destacou que outro benefício foi ter levado esclarecimentos à população. “A campanha se espalhou e sensibilizou muita gente. Isso é muito importante para que possamos dar o devido valor ao assunto.”

COMO PROCEDER

A campanha encerrou nesta sexta-feira (18), contudo o Cejusc continuará realizando os atendimentos para reconhecimento voluntário de paternidade. Para isso, pai e mãe devem se dirigir ao Centro Judiciário, localizado no Fórum Clóvis Beviláqua, com RG, CPF e cópia da certidão de nascimento da criança ou o nome do cartório do registro. No local, será preenchido um Termo de Reconhecimento de Paternidade assinado pelo pai, pela mãe e homologado por um juiz. Com esse documento em mãos, um dos responsáveis pela criança pode ir ao cartório e requerer a inclusão do nome do pai.

A iniciativa é um esforço conjunto do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) por meio da Corregedoria-Geral da Justiça (CGJ), Fórum Clóvis Beviláqua, Cejusc da Comarca de Fortaleza e Conselho Nacional de Justiça (CNJ), e faz parte do Programa “Pai Presente”.

Brasil ocupa a 23º posição no ranking que mede qualidade da Previdência de países

Solenidade na Assembleia comemora 11 anos do movimento Outubro Rosa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui