O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, pediu nesta quinta-feira (24) aos deputados para apoiar a convocação de eleições antecipadas em 12 de dezembro se quiserem mais tempo para debater o Brexit, que certamente será adiado com o aval da União Europeia (UE). Johnson se viu obrigado há cinco dias a pedir um novo adiamento do Brexit, previsto para o final do mês, diante da resistência dos deputados a adotar rapidamente o novo acordo de divórcio que, contrariando todo prognóstico, alcançou na semana passada com a UE.

Os 27 sócios europeus do Reino Unido apoiaram na quarta-feira o adiamento para evitar uma saída abrupta no dia 31, mas divergem sobre sua duração, segundo uma fonte europeia.

Assim, eles poderão decidir sobre uma prorrogação de três meses – até 31 de janeiro de 2020 – ou, como pediu Londres, um curto adiamento técnico, de poucas semanas, em uma tentativa de pressionar o Parlamento britânico para que finalize a adoção do texto.

“Acho que o modo de tornar o Brexit efetivo é ser razoável com o Parlamento e dizer a eles que se quiserem mais tempo para estudar” a legislação que implementa o acordo com Bruxelas, “têm que apoiar as eleições gerais em 12 de dezembro”, disse Johnson em entrevista à BBC.

As próximas eleições legislativas estão previstas para 2022 e o governo, que perdeu a maioria em setembro após a rebelião de 21 deputados conservadores, tem tentado antecipá-las.

Para isso, precisa do apoio de dois terços dos deputados, mas a oposição, liderada pelo Partido Trabalhista de Jeremy Corbyn, se nega até ter certeza de evitar um caótico Brexit sem acordo.

“É nosso dever acabar com esse pesadelo e dar ao país uma solução o mais rápido possível”, afirmou Johnson em uma carta enviada nesta quinta-feira a Corbyn, na qual solicitou seu apoio para convocar eleições.

Pouco depois, seu ministro de relações com o Parlamento, o eurocético Jacob Rees-Mogg, anunciou uma moção sobre a antecipação das eleições que deveria ser votada na segunda-feira, mas que enfrentou a hostilidade da oposição.

A deputada trabalhista Valerie Vaz reiterou que seu partido somente “apoiará eleições se for descartado um Brexit sem acordo e se a prorrogação permitir”.

Gerando mais confusão do que a que reina há meses na Câmara dos Comuns, os deputados aprovaram – por 310 votos contra 294 – o ambicioso programa legislativo apresentado pelo Executivo em um discurso da rainha Elizabeth II em 14 de outubro.

Este inclui 26 projetos de lei, da proteção do meio ambiente até a modificação das sentenças penais, e a legislação necessária para implementar a saída britânica da UE.

Os outros Estados europeus devem responder a Londres sobre o eventual adiamento nos próximos dias, mas não têm data-limite e, se demorarem a chegar a um consenso, a decisão pode demorar. Alguns países, como a Irlanda, defendem um adiamento até o final de janeiro. Outros como a França desejam um curto atraso e um terceiro grupo continua indeciso.

Os embaixadores dos 27 países devem se reunir novamente em Bruxelas, onde “o mais provável” é que recomendem aos dirigentes do bloco aceitar um adiamento de três meses, segundo um diplomata europeu.

“Isso seria debatido durante o final de semana pelos líderes e a resposta poderia chegar na segunda-feira”, assegurou a fonte. A ideia é adotar a decisão por escrito mas, se persistirem as divergências, os europeus não descartam uma nova cúpula na semana que vem para decidirem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui