A Polícia Federal realiza nesta quarta-feira a 63ª fase da operação Lava Jato, denominada Carbonara Chimica, para apurar pagamentos indevidos da Odebrecht a dois ex-ministros de Estado e cumpre 11 mandados de busca e apreensão e dois de prisão temporária, informou a PF em nota.

“O nome da operação remete ao fato de que os investigados eram identificados como ‘Italiano’ e ‘Pós-Itália’, havendo ainda correlação com a atividade desenvolvida por uma das empresas envolvida no esquema”, disse a PF em nota.

“Italiano” seria o apelido de Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da Casa Civil no mandato da ex-presidente Dilma Rousseff, enquanto “Pós-Itália” seria a alcunha de Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda de Lula e Dilma, na planilha de propinas da Odebrecht.

De acordo com a PF, os pagamentos indevidos teriam sido feitos em troca da aprovação de medidas provisórias que permitiram o refinanciamento e dívidas fiscais e permitiriam a utilização de prejuízos fiscais das empresas como forma de pagamento.

“Há indicativos de que parte dos valores indevidos teria sido entregue a um casal de publicitários como forma de dissimulação da origem do dinheiro”, disse a PF.

“Foi determinada ordem judicial de bloqueio de ativos financeiros dos investigados no valor de 555 milhões de reais”, acrescentou.

A Polícia Federal não informou quem são os alvos dos mandados de prisão. De acordo com a GloboNews, os alvos são o ex-executivo da Odebrecht Maurício Ferro e o advogado Nilton Serson.

Os dois mandados de prisão estão sendo cumpridos em São Paulo, assim como oito mandados de busca e apreensão. Os outros dois mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos na Bahia. Todos os mandados foram expedidos pela 13ª Vara Federal de Curitiba.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui